Regina Duarte aceita intervenção em busca de uma saída honrosa do governo – 19.5.2020. – Ilustrado

No meio do processo de fritura, a atriz Regina Duarte procurou a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) para tentar construir um local de honra para a Secretaria Especial de Cultura.

Regina trabalha em um projeto de produção de vídeo desde a semana passada, que visa apresentar as atividades já realizadas no mapa. Ela assumiu o cargo em março.

Além de Zambelli, com quem Regina é amiga, ela conta com o apoio do Secretário de Assuntos Especiais da Presidência da República, contra-almirante Flávi Roch.

O parlamentar federal deve listar nomes de cultura, pois a eleição de Regina foi cancelada por ela ou pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo o ex-aliado da atriz, Regina agiu prematuramente e se isolou de seus principais apoiadores.

No fim de semana passado, o vice-secretário Pedro Horta e a porta-voz Renata Giraldi deixaram a Secretaria Especial de Cultura, que foi demitida.

De acordo com os relatórios feitos com o relatório os dois aliados desistiram após a entrevista de Regina com a CNN Brasil. Nele, a conversa foi interrompida, depois do que a secretária chamou de tormento.

Pessoas próximas à secretária dizem que Regina está construindo uma maneira elegante de sair do governo presidencial. Bolsonaro deixou claro que a secretária estava em processo de fritura em público.

A atriz foi aconselhada a passar por um processo de “treinamento na mídia”. No entanto, esse treinamento será realizado por um advogado criminal, não por um especialista em comunicação.

Este passeio foi projetado com a ajuda de Zambellli e Roch, para que Regina esteja pronta para responder a perguntas. Os argumentos legais são levados em consideração aqui.

De acordo com pessoas próximas ao portfólio, a Secretaria Especial da Cultura está passando por uma espécie de intervenção dos vice-bolonistas.

Segundo a ala ideológica do governo, Regina não atendeu às expectativas de remover os nomes associados ao lado esquerdo do setor cultural. Este é um tópico querido pelos bolsonares e pelos olavistas.

A atriz está enfrentando dificuldades diretas com o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo. Ele o manteve em serviço, apesar dos desejos da secretária.

Com a supervisão de Zambelli, a idéia é criar um ambiente de transição para Regina deixar o governo pacificamente. Para isso, o MP aceitou o apoio de duas importantes alas do governo – a ideológica, representada pelo secretário, e a militar, de Roch.

Regina até apresentou seus planos de cultura a Bolsonar. Ela não convenceu o presidente de sua administração.

Na sua opinião, a atriz não a intensificou na guerra cultural e ideológica.

O presidente postou um vídeo nas redes sociais nesta terça-feira (19), no qual o ator Mário Frias diz que está disponível para substituir a atriz no órgão.

“Para Jair, cara, o que for preciso, eu estou aqui. Eu apoio Regina muito, sou fã dela, mas para o Brasil, eu estou aqui, o que for preciso”, disse o ator à CNN no início de maio sobre a possibilidade de assumir o órgão.

“Eu respeito muito Jair. Vejo que o Brasil tem uma chance de finalmente ser respeitado”, disse ele em um vídeo postado por Bolsanaro.

Ainda nesta terça-feira, o presidente levou Frias para almoçar com os presidentes Flamengo e Vasco. O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente, também participou da reunião

Como Folha em abril, Bolsonaro aprovou aliados para criticar publicamente o governo de Regina.

Há dois meses, a atriz ainda não apresentou um forte programa de emergência para o setor cultural.

Agora, artistas e executivos contam com iniciativas do congresso para encontrar soluções para o meio ambiente, que foram fortemente influenciadas pela nova pandemia de coronavírus.

Nesse contexto Folha anunciou nesta terça-feira (18) que artistas começaram a conversar com congressistas para aprovar o que é chamado de Lei de Cultura de Emergência.

A proposta relatada pela deputada federal Jandira Feghali (PC para B-RJ) é uma combinação de quatro projetos que estavam no Congresso.

A iniciativa foi articulada por Jandira e um grupo de congressistas com a participação de artistas e secretarias estaduais e municipais de cultura de todo o país.

As propostas incluem ajuda a artistas, transferências de US $ 10.000 para centros culturais e alterações em termos de responsabilidade, pagamento de impostos, com a aprovação de juros zero por até três anos para pagamento.

Há também um plano de descentralização de recursos, ou seja, transferência direta para departamentos de cultura estaduais e municipais.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero