Regina Duarte diz que não defendeu a ditadura depois de minimizar a morte no período de 22.05.2020

Regina Duarte comentou, em artigo sobre o estado de São Paulo, sobre alguns momentos de sua administração no Gabinete do Governo para a Cultura Especial Jair Bolsonaro (sem festa). Entre eles, uma entrevista à CNN, na qual ele ficou zangado com uma mensagem gravada da atriz Maitê Proença.

Regina também cantou a marcha “Pra Frente Brasil”, criada durante a ditadura militar, e disse que sempre houve “tortura” na história do Brasil ao ouvir críticas ao período da ditadura.

Eu amo meu país. Sim, e sempre deixei isso claro, a ponto de que em uma recente entrevista na TV eu cantei a famosa marcha dos anos 70, que fala sobre ‘todos conectados em igual emoção’. Nada a ver com a defesa da ditadura, como alguns queriam, mas com um sonho de brasilidade e unidade que defendi a vida toda ”, escreveu o ex-secretário.

“E peço desculpas se, na mesma ocasião, criei a impressão de apoiar a tortura, algo indizível e que nunca teria meu consentimento, como sabem os que conhecem minha história”, acrescentou.

Na conversa, no entanto, o ex-secretário manteve as mortes na ditadura militar no mínimo. “Cara, desculpe, vou dizer uma coisa. Então, na humanidade, isso não para de morrer. Se você está falando sobre a vida, há morte do outro lado. E as pessoas ficam tipo ‘oh, oh, oh’. Por quê?” Regina.

“Bem, mas sempre houve tortura. Meu Deus, Stalin, quantas mortes? Hitler, quantas mortes? Eu não quero arrastar o cemitério dos mortos nas minhas costas. Eu não quero isso para ninguém. Eu sou leve, vivo, vivo, vamos continuar vivos “, ele acrescentou então.

avaliações

A ex-secretária também desqualificou as críticas dirigidas a sua administração. Ela disse que esperava ser questionada quando aceitou a posição, mas ficou impressionada com o que definiu como “a completa ausência da substância das sentenças impostas a ela na praça pública das redes sociais”.

“Em vez de uma discussão honesta, que seria saudável, não importa quão altos fossem os decibéis, o que eu reconheci era apenas uma ação coordenada de apedrejamento de uma pessoa que se dedica à arte e à dramaturgia brasileiras há mais de meio século.” acusado.

“Recuso-me a responder às expressões de desaprovação expressadas pelos mais excelentes. Há críticas que são refratárias a um argumento racional justamente porque extrapolam qualquer veredicto”, afirmou.

Uma visão para a cultura

Regina continuou a abandonar seu desejo pelo setor cultural brasileiro depois de deixar o cargo federal. “O país precisa de uma política cultural que vá além das ideologias. Tentei colocar isso de pé quando concordei em trabalhar diretamente com o governo federal”, escreveu ele.

“[Pensei] em um país que possuía uma elite pensante em comunicações que não escolheu “quanto pior, melhor”. Era um trabalho que deveria estar no centro das atenções – nunca eu “, acrescentou.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero