Uber e caminhões autônomos não aceitam o trabalho de motorista, defende Waymo – 30.06.2020

A tecnologia que substitui completamente as pessoas na direção dos carros não é mais ficção científica desde 2018 no estado do Arizona, EUA. Há Waymo, uma unidade de veículo autônomo Alfabeto, a empresa proprietária do Google, já está testando viajantes com estilo uberBem, esse é o fim do motor humano? A empresa não jura.

“Nossa missão é a segurança, não interromper empregos ou remover pessoas da empresa”, disse o gerente de produtos da empresa. MUITO MAIS. Sugandha Sangale um webinar Innovalab – um evento na linha apoiado por Viés que reúne os principais líderes em tecnologia, ciência e inovação. No entanto, ela não mencionou como vai funcionar no trabalho de motoristas profissionais.

Outras empresas, como Tesla e Uber, também estão pesquisando e testando suas próprias tecnologias de automóveis autônomos.

A Waymo já fornece esse serviço em aplicativos de modelo de negócios como Uber, 99, Cabify e outros. Usuários do Arizona podem criar um registro de aplicativo MUITO MAIS Um no seu smartphone, com seus detalhes e cobrança no cartão de crédito. Para solicitar uma corrida, basta inserir sua localização atual e destino final. aplicativo calcula a hora de chegada do carro ao local e rota. A única diferença é que não há drivers.

A empresa opera centenas de minivans autônomos no subúrbio de Phoenix, no Arizona, e possui uma base de cerca de 1.000 clientes. E para aqueles que ficariam surpresos por estar em um carro sem um homem ao volante, Sangal insiste na chave de segurança como pilar de Waymo.

Nossa missão é construir os motoristas mais seguros do mundo, e a missão desse “motorista” é mover as pessoas de um ponto para outro de uma maneira muito mais segura. [do que o atual feito por humanos]”Segurança é o principal objetivo da empresa”, diz ele.

Até caminhões?

A conversa não para no transporte de passageiros. O poder executivo defendeu a existência da crescente demanda da sociedade por serviços de transporte e logística.

Ao mencionar outro produto da empresa, Waymo Via, Sugandha Sangal disse que há muitas vagas para caminhoneiros no mundo, pois o setor de logística sofreu uma redução no fornecimento de “pessoas que desejam trabalhar neste setor” ao longo dos anos.

“Não temos pessoas suficientes que desejam fazer esse tipo de trabalho. Já existe uma lacuna entre a necessidade de transportar mercadorias e a falta de pessoas que desejam trabalhar no setor. (…) precisamos fazer algo para aumentar a oferta de transporte de mercadorias”, explicou. essa informação.

Pelo menos no Brasil, a profissão de caminhoneiro provavelmente foi afetada pelo desenvolvimento da automação, segundo pesquisas Laboratório do Futuro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRY), a partir do final do ano passado.

Um carro protegido de acidentes?

A empresa diz que sua principal missão é aumentar a segurança nas ruas, prevenindo acidentes e mortes. O gerente de produto de Waymo afirmou que seus carros autônomos dirigem melhor que os humanos.

Razões? Por não se distraírem, não se cansarem, não beberem álcool antes de iniciarem, nem tentam exceder os limites de velocidade, que, segundo ela, são as principais causas de acidentes nos Estados Unidos.

Sugandha Sangal também explicou que os carros autônomos têm três sistemas (Vision, Lidar e Radar) que permitem que os carros “vejam e percebam” outros veículos, transeuntes, semáforos, objetos e interseções em torno dele.

  • A primeira atua como uma câmera que oferece informações semelhantes às que o olho humano vê quando está ao volante;
  • O segundo mede a distância de outros elementos ao redor do carro autônomo – algo importante, especialmente quando há pouca luz e as câmeras não conseguem capturar esses objetos e pessoas;
  • O terceiro, por outro lado, entende como os elementos fora do carro se movem e a que velocidade.

Usando inteligência artificial, o carro usa um banco de dados coletado em excursões e simulações. Com a ajuda de dados detectados por sensores, é possível prever os movimentos desses elementos externos, tomar decisões e evitar acidentes com a empresa.

No entanto, no início deste ano, um dos microônibus autônomos de Waymo estava envolvido em um acidente em Tempe, Arizona. Um ex-funcionário da empresa concluiu sua prisão um mês depois de ser acusado de forçar um veículo a colidir.

De acordo com a mídia local, um homem de 31 anos estava dirigindo acidentalmente um Mazda em torno de uma minivan, quebrando a frente do carro e ativando os freios, causando a colisão do carro.

Em 2018, um dos carros da empresa também se envolveu em um acidente em Chandler, também no Arizona. Imagens do veículo na época mostraram que ele não estava descontente com o acidente, mas um motorista da Honda que passou no sinal vermelho. A baixa velocidade com que o carro de Waymo é dirigido teria impedido que o acidente tivesse conseqüências mais graves. Nos dois casos, houve apenas ferimentos leves.

Questionado sobre como a tecnologia responderia a emergências necessariamente humanas, como a contratação de passageiros, Sugandha Sangal disse que, embora os veículos tenham um botão de contato nos serviços de emergência, a falta de um fator humano nesse tipo de situação ainda é uma questão não resolvida. “Deveríamos pensar em alguma coisa”, diz ele.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero