A ordem de Trump ainda tem um longo caminho a percorrer para mudar as redes sociais para melhor – 01.06.2020

Depois que dois tweets foram marcados como possivelmente enganosos no Twitter, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma ordem executiva para alterar a legislação do estado com a intenção de limitar a proteção legal das redes sociais e permitir que eles sejam processados ​​por conteúdo de usuários. Mas, de fato, a maneira prática de mudar essa plataforma é um pouco mais do que parece.

Apesar de desencadear uma faísca na guerra contra as empresas de Internet, os especialistas americanos acreditam que as chances de uma mudança radical nos modelos de mídia social são pequenas. Alguns até consideram a ordem inconstitucional.

Twitter marca os tweets de Donald Trump com um aviso sobre o conteúdo errado - Reprodução

O Twitter marca os tweets de Donald Trump com um aviso sobre o conteúdo errado

Imagem: Reprodução

O que aconteceu?

Trump com uma etiqueta: Terça-feira (26), Twitter sinalizou os anúncios de Trump rotulado como “potencialmente enganoso”. Ou seja, com as chances de fazer declarações falsas.

Mas por que? O conteúdo em questão se referia a alegações não verificadas de que as cédulas enviadas pelo correio eram falsas, o que intensificaria seus ataques a membros do Partido Democrata (é bom lembrar que os Estados Unidos estão concorrendo).

Reação: Na quinta-feira (28), o Presidente dos Estados Unidos decidiu assinar uma ordem exigindo uma emenda à seção 230 da Comunicação de 1996 sobre a Lei da Decência.

O que essa lei disse? Inicialmente, prevê que as empresas não possam ser processadas pelo que os usuários publicam porque não são classificadas como “publicadoras” desse conteúdo. A exceção é material relacionado à prostituição e pirataria.

O que isso tem a ver com as mídias sociais? Na prática, essa regra estabeleceu que o Twitter, o Facebook e similares não podem ser responsabilizados e processados ​​pela iniciativa de um usuário da Internet de compartilhar notícias falsas. Ou esse não deve ser responsabilizado se um usuário cometer uma ofensa pública na plataforma e / ou difamar outro usuário. De qualquer forma, as empresas são livres para remover conteúdo violento e / ou obsceno.

Um era pequeno: A nova ação na sexta-feira (29) colocou ainda mais foco na polêmica da semana. Twitter classificado como conteúdo para a exaltação da violência Trump tweet em protestos em Minneapolis, após a morte por asfixia de um homem negro por um policial branco, no qual sugeriu atirar em manifestantes.

Twitter marca os tweets de Donald Trump com um aviso de violência gritante - Reprodução

Twitter marca os tweets de Donald Trump com um aviso sobre a imposição de violência

Imagem: Reprodução

Por que Trump quer mudar?

Que Trump afirma: Para mudar a lei, um republicano diz que, se uma empresa não é responsável pelo que o usuário da internet publica, por que isso interferiria no que já foi publicado? Como resultado, as plataformas assumem o papel de “publicadores” e não devem ter imunidade se não forem responsáveis ​​pelo que circula dentro delas.

Uma discussão antiga: Trump vive há anos atacando empresas nas mídias sociais. Os apoiadores do presidente acreditam que muitas plataformas têm um viés político e agem contra políticos conservadores, o que já levou alguns usuários a processar plataformas sociais por violarem seus direitos (como bloquear contas ou conteúdo moderado).

A oposição está reclamando: Os críticos do presidente argumentam que as plataformas de mídia social devem ser livres para combater a desinformação e que as ações de Trump podem ser interpretadas como uma ameaça e retaliação.

O que diz o mandado?

Por enquanto, “proposta”: uma ordem executiva exige mudanças nas atividades de dois órgãos estatais independentes. Na prática, isso é mais um requisito / posição do chefe de estado (que já é significativo). Mas não tem caráter definido.

FTC, nova polícia? Com base no documento, Trump pede que as queixas dos internautas sobre o comportamento de uma determinada plataforma social sejam submetidas pela FTC (Federal Trade Commission), um órgão relacionado à proteção do consumidor.

FCC, novo árbitro? Nesse caso, as solicitações seriam encaminhadas à FCC (Comissão Federal de Comunicações), que teria o papel de criar seus critérios de avaliação e, então, decidir se a moderação do conteúdo publicado seria injusta para censurar, suprimir ou assediar uma pessoa ou grupo em particular.

O efeito disso: toda essa mudança afetaria não apenas o Twitter e outras redes sociais, mas todas as empresas que possuem seções de comentários on-line.

Constituição dos EUA

Mudar a lei pode ser inconstitucional

Obstáculo: a própria lei, A questão aqui no Brasil não ressoou tanto quanto nos Estados Unidos, mas a ordem de Trump atraiu a atenção de especialistas em direito, acadêmicos e mídia especializada. Alguns deles acreditam que a legislação atual será usada exatamente para se opor ao que Trump deseja.

A primeira emenda à Constituição dos EUA diz que o governo não pode restringir o discurso de entidades privadas. Portanto, uma nova lei que permita dizer que uma rede social privada deve se comportar ou não com conteúdo dentro dela pode ser considerada inconstitucional.

Curiosidade: Com base na Primeira Emenda, o tribunal decidiu que Trump violou a constituição ao bloquear usuários cujas opiniões ele estava insatisfeito.

Autoridade para quem? Russell Brandom, jornalista do site especializado The Verge, ressalta que não está claro se a FCC tem os poderes necessários para decidir se uma rede social pode ser responsabilizada com base em uma ordem executiva do presidente.

Devido à sua estrutura, a seção 230 recebe diferentes interpretações:

  • Por um lado, alguns argumentam que isso permite que empresas poderosas deixem possíveis danos a seus clientes
  • Outros argumentam que a lei protege plataformas de acordo com interesses políticos
  • No outro extremo, os críticos da ordem executiva de Trump veem a ação como um grande risco para a liberdade de expressão e a luta contra a desinformação.
Jack Dorsey, CEO do Twitter - Mike Blake / Reuters

Jack Dorsey, CEO do Twitter

Imagem: Mike Blake / Reuters

Resposta de rede

Afrontoso Twitter: Em resposta à controvérsia sobre as mensagens potencialmente enganosas de Trump, o diretor executivo do Twitter, Jack Dorsey, disse que a rede social “continuaria a apontar informações imprecisas ou questionáveis ​​sobre as eleições em todo o mundo”.

Facebook em “parece bom”, A rede social declarou: “Cancelar ou restringir a legislação dos EUA sobre conteúdo on-line de terceiros terá um efeito negativo. Isso limitará mais a fala on-line do que o contrário. Expor as empresas a riscos legais potenciais para todos os bilhões de pessoas em todo o mundo que eles dizem ser incentivados. plataformas para censurar qualquer coisa que possa incomodar alguém ”, disse um porta-voz do Facebook.

Lavagem das mãos: nesta sexta-feira (29), o Facebook se refez dizendo que não removeria o conteúdo de Trump de sua plataforma.

“Eu tenho tentado o dia inteiro reagir aos tweets e postos do presidente. Pessoalmente, tenho reações viscerais negativas a esse tipo de divisão e retórica incendiária … Embora esse cargo tenha uma referência histórica preocupante, decidimos mantê-lo porque chamar a Guarda Nacional significava que nós o lemos como um aviso de ação estatal e achamos que as pessoas precisam saber se o governo está planejando usar a força “. proclamou Mark Zuckerberg, chefe da rede social.

“Sei que muitas pessoas estão chateadas por termos exercido a presidência, mas nossa opinião é de que devemos permitir o máximo de expressão possível, a menos que cause um risco imediato do dano ou perigo específico prescrito em políticas claras”, acrescentou. é “Zuck”.

O saldo final? Muitos críticos dizem como O Facebook parece estar conseguindo manter relações diplomáticas com a presidência, enquanto Trump e Twitter continuam em guerra.

Mudar a lei não é novidade

Faz muito tempo o que os políticos estão tentando fazer As empresas de Internet são responsáveis ​​pelo conteúdo do usuário.

Há quase um ano, em agosto de 2019, a CNN Estados Unidos publicou um relatório com base em um resumo ao qual ele teve acesso do que seria um projeto para mudar a mesma lei chefiada pelo governo Trump.

Uma musa inspiradora: De acordo com um relatório da época, o documento era intitulado “Protegendo os americanos da censura na Internet” – eles dizem que Trump usou o mesmo documento para desenvolver a ordem executiva atual.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero