O dia em que Ennio Morricone me ensinou a importância da música no cinema – 07.07.2020

Eu não deveria ter dez anos quando estava sentado no sofá na sala assistindo “Três Homens em Conflito”. Foi uma sessão nas primeiras horas do Globo, e compartilhei um balde de pipoca com meu pai (um ocidentais) e minha avó (fã de Clint Eastwood).

O filme começou, acho divertido como o título original surgiu – “Bom, Mal e Feio”, pontuando a apresentação de seus intérpretes. Quando criança, esperava inocência de um ocidental selvagem, como os que eu assisti na mesma TV muitas tardes após as tarefas.

O que eu não sabia era que, quase três horas depois, eu estaria naquele sofá, olhando, ainda sem entender o impacto do que vi. De fato, levaria mais alguns anos para absorver tudo. Longe de fotografar e andar, o que aconteceu diante dos meus olhos foi uma exploração da natureza humana, refletida nas sombras da Guerra Civil Americana.

Clint Eastwood em “Três homens em conflito”

Slika: Warner

A história, no entanto, não teria tido um décimo efeito se não fosse a trilha sonora onipresente, que ressoaria em meus ouvidos com temas que evocavam uma mistura de emoções, da tristeza à alegria, culminando em uma das cenas decisivas para definir minha paixão pela arte. e sons.

No cemitério incomumente circular, o Bom (Clint Eastwood), o Bad (Lee Van Cleef) e o Feio (Eli Wallach) lutam contra um duelo climático, no qual uma troca de tiros substitui um fedor que se sufoca cada vez mais. os olhos de seus protagonistas. Toda a história e as intermináveis ​​séries de emoções que os personagens experimentam são contadas pelos acordes do mestre. Foi Ennio Morricone.

Com quase quinhentas composições para cinema e TV em sua resumo, Morricone, que morreu em Roma em 6 de julho aos 91 anos de idade, mudou irreversivelmente a maneira como a música é feita no cinema. Em “Por um punhado de dólares”, sua primeira parceria com o diretor Sergio Leone, um estudante do ensino médio desde a infância, ele abandonou o arranjo orquestral tradicional incorporando elementos atípicos em arranjos como violão e acordeão, influenciando o “som” usado no gênero por outros compositores.

A propósito, sua parceria com Leone se tornou uma das mais famosas da história. Como Alfred Hitchcock e Bernard Herrmann, Federico Fellini e Nino Rota, Steven Spielberg e John Williams, e Tim Burton e Danny Elfman, houve uma simbiose real entre diretor e compositor, entrelaçada como um narrador único.

Esse foi o papel de Morricone quando ele filmou a trilha sonora do filme: elevar emoções com a precisão de um cirurgião e a paixão de um poeta. ocidentais eles certamente eram sua janela para o mundo – a trilha sonora de “Era uma vez no Ocidente” refletia o sucesso comercial do filme. Mas ele nunca hesitou em tentar outros gêneros e outras músicas.

Ele instilou o espírito de aventura na deslumbrante “Missão” de Roland Joffé. Ele destacou a incompatibilidade política de “Batalhas pela Argélia” e “Queimada!”, Ambas de Gillo Pontecorvo. Foi ótimo em “Bugsy” de Warren Beatty e emocionante em “Intocáveis” de Brian De Palma. O mundo chorou com Giuseppe Tornatore no “Cinema Paraíso”.

Atraído para a Europa, Morricone foi um grande rival nos Estados Unidos por grande parte de sua carreira. Ele foi indicado ao Oscar cinco vezes antes de receber uma estátua honorária em 2007. Finalmente, a academia reconheceu a Academia em 2015 por seu trabalho no filme de Quentin Tarantino, “Oito Qualidades”.

morricone leone - Reprodução - Reprodução

Diretor Sergio Leone e compositor Ennio Morricone

Imagem: Reprodução

Os louros da indústria, no entanto, desapareceram antes de sua carreira começar como trompetista nas bandas de jazz da década de 1940, uma carreira que floresceu na década seguinte, antes que ele e Sergio Leone mudassem de rosto. oeste 1960s. O escopo de seu trabalho não é menos impressionante do que sua qualidade constante de traduzir o leque de emoções escritas no celulóide em acordes.

O que remonta ao seu trabalho absolutamente brilhante e profundamente influente em “Three Men in Conflict”. Poucas faixas são reconhecíveis em apenas alguns segundos, como resultado da obra-prima de Leone. “Il Triello”, que retrata cenas climáticas, continua afetando minha alma com a mesma intensidade do momento em que descobri seus acordes.

A música cinematográfica já me afetou emocionalmente, principalmente nos filmes “Guerra nas Estrelas” e “Superman, Filme”. Mas não percebi o quão inseparável era uma parte da história até seguir o caminho de três pessoas em busca de um tesouro escondido de ouro. Ennio Morricone dividiu a história entre o palco e sua trilha sonora impossível.

No final da sessão no sofá em casa, eu ainda estava, vergonhosamente, tentando esconder as lágrimas que constantemente molhavam meu rosto. Eu sabia que algo havia mudado na minha percepção do cinema, mas passariam mais alguns anos antes de processar a peça que acabara de ver. Meu pai percebeu minha reação, sorriu e, antes de me deixar pensar, resumiu bem o momento: “Filmão, não foi?”. Eu apenas balancei minha cabeça. Arte, acredite, molda um personagem.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero