Temos tecnologia em quarentena, mas o coletivo ainda precisa ser entendido

Freepik

Estou cansado de quarentena. Hoje estou no 85º dia de quarentena. Eu já falei, aqui no blog, sobre dicas de escritório em casa, sobre a diferença entre um escritório em casa regular e o que vivemos hoje, sobre como a tecnologia nos permitiu ficar em casa e continuar trabalhando, sobre o excesso de atividade imposto quarentena, dependência crescente de tecnologia e até especulações sobre um “novo normal”.

“Eeeeba, então hoje o texto será sobre outra coisa?”

Hmmm … Sim … Infelizmente, não …

Mais do que estou cansado de falar, estou cansado da própria quarentena, ouvindo sobre isso e, principalmente, quando vejo que estamos em quarentena para ver o coronavírus “(não faria muito sentido dizer que é” ver em inglês “).

Eu não acho que posso ficar sem falar, porque vivo muito isso dia após dia. Fico em casa o tempo que posso, lavo as mãos e faço compras no mercado (levo cerca de duas horas para limpar tudo) e sou muito hipocondríaco com minhas doenças concomitantes (e sem histórico de atletas).

Nossa situação na sociedade é muito diferente da pandemia anterior do início do século XX. Já vimos que temos tecnologia suficiente para reduzir o impacto, reduzir a infecção, protegendo os profissionais que precisam estar em casa e os que estão na rua. O que nos falta é algo muito mais difícil de alcançar do que a tecnologia, que eu não sei se consigo explicar de forma clara e direta, então usarei memes:

Duplicação: Internet. Conselho He-Man.

É mais fácil cuidar de Wi-fi em vez de se preocupar com quem é o próximo que precisa de oxigênio (para não mencionar que precisamos nós mesmos). Nossa maior dificuldade é entender o coletivo, pensar em todos, pensar em como agir para o bem de todos. Se ao menos houvesse um aplicativo que poderíamos tomar para resolver.

Temos muitas prioridades estranhas na vida. Antes da quarentena, queríamos tê-la Smartphone mais recentes ou usando o quadro “momento”, em quarentena, temos novas prioridades incomuns, como cortar cabelos, ir à academia (onde nunca frequentamos), interagir com pessoas (das quais não gostamos nada), tomar sol (o que nunca tomamos porque somos desenvolvedores ) Ah, se as pessoas ao nosso redor produzissem wi-fi, manteríamos um isolamento social decente? Com o crescente número de casos retornando às ruas, não faz sentido ter minha cabeça treinada para ensinar lógica de programação.

A vida é importante. É seu, meu, de todo mundo. Não se torne outro número na contagem, não se trate como um número e não trate os outros assim. Estamos longe de resolver o problema em nosso país. Embora seja muito chato, faremos o nosso melhor.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero